Nos últimos anos, presenciamos a tomada das ruas em diferentes manifestações políticas no nosso país. Nesses acontecimentos, milhares de jovens estavam presentes e nota-se um engajamento cada vez maior desse grupo. Além da presença física, a expressão política no mundo virtual se fortalece e a juventude propõe a discussão de uma diversidade de temas, que afetam tanto sua realidade, quanto o cenário político nacional e mundial.

É nesse cenário, que três jovens LGBT+ do Rio de Janeiro se uniram e formaram uma candidatura coletiva para vereador da cidade nas próximas eleições do dia 15 de novembro.

Quem são eles?

Nathalia Assis é carioca, tem 27 anos, estuda Ciências Contábeis e tem uma longa trajetória de ativismo político. Começou na universidade, participando do movimento estudantil e, depois, em 2013, filiou-se ao Partido dos Trabalhadores (PT). A jovem foi a responsável por propor a união com os outros dois amigos, Beatriz e Victor, e formar essa candidatura coletiva. Ela explica: “No Rio de Janeiro, não havia uma candidatura específica com foco na juventude e nas causas LGBT+. Era essencial que nos juntássemos para gerar debates, entender as necessidades da população e incentivar a participação política da comunidade”.

Beatriz Albuquerque, também do Rio de Janeiro, é cientista social e intensificou o seu interesse pela política durante os anos na universidade. A jovem de 27 anos relembra que, em 2014, devido à polarização política e os ataques machistas à ex-presidenta Dilma Rousseff, sua participação nos movimentos foi crescente e, atualmente, ela tem um grande interesse pelas áreas de gênero e sexualidade. A candidata ressalta a força das mulheres e o grande exemplo de coragem da mãe, que a criou sozinha. “A minha mãe sempre foi o meu espelho”.

Victor Hugo é estudante de Direito e também atuante no movimento estudantil da sua faculdade. Conheceu Nathalia no âmbito acadêmico e, desde então, a amizade se fortaleceu. A luta pelas causas sociais sempre foi motivo para a trajetória de união dos dois. Victor acredita que a luta pelos direitos LGBT+ envolve todes nós e a representatividade política ainda é muito baixa. “Precisamos defender quem somos!”, afirma o jovem.

As pautas

O foco da candidatura dos jovens são as mulheres, as pessoas negras, a comunidade LGBTQIA+ e a presença das periferias na câmara de vereadores.

“Diante de um cenário de pandemia e recessão econômica, é preciso pensar, debater constantemente, criar relações com as comunidades e seus líderes, e fazer com que a política seja inclusiva”, explica Nathalia.

Victor ressalta que a comunidade LGBT+ sofre com falta de serviços de saúde especializados e humanos. “Quando não podemos ser quem somos, acabamos adoecendo, e isso tem impactos muito nocivos”.

Acompanhe a página do Instagram da DiverCidade e conheça todas as propostas dos três jovens para um mundo melhor: @riodivercidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui