A Casa Florescer II – espaço de acolhimento e assistência para mulheres trans e travestis, vai receber uma oficina de teatro com o foco no acolhimento de trans e travestis egressas do sistema prisional, de acordo com Ricardo Olimpio Bezerra.

Só quem é trans ou travesti vive na pele os danos causados por uma sociedade preconceituosa e violenta. Por isso, a oficina trás dinâmicas para fortalecer ensinar mulheres trans e travestis a lidar com as situações de dor e violência, estimulando o autocuidado, proteção e autoestima.

A oficina, que acontecerá nos dias 14 e 18 de março, utilizará o teatro como forma de estudar as situações de perigo em um espaço seguro e descobrir formas de agir. Tudo isso entre manas se fortalecendo.

Manas interessadas, não precisam de inscrição. É só colar! Lembrando que o objetivo é dar aquela força para as manas que já passaram “veneno na prisão” e, por isso, estão mais vulneráveis.

Essa oficina faz parte do projeto “TRANSgressoras ou como recuperar o fôlego gritando” realizado em parceria entre a Cia dxs Terroristas e o Grupo do Trecho, patrocinado pela 4ª Edição do Fomento a Cultura da Periferia da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo.

Serviço: Jogos da Teatro da Oprimida (Atividade exclusiva para mulheres trans e travestis)
Dias: 14 e 18 de março das 13h às 16h
Local: Casa Florescer II
Rua Capricho nº 872 – Vila Nivi

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui